Capa

FUTEBOL

Estudar nos EUA não é mais caro do que no Brasil

Seletiva HTS Brazil seleciona garotos interessados em conquistar uma bolsa de estudo esportiva nos Estados Unidos. Segunda seletiva em Campo Grande será de 24 a 26 deste mês

08.03.2017  |  810 visualizações
São Paulo (SP) - Fazer faculdade no Brasil pode ser caro, certo? Uma universidade particular tem mensalidades que, dependendo do curso, podem estourar seu orçamento. Para cursar uma universidade pública, muita gente precisará encarar os cursinhos, desembolsando um bom dinheiro. Sem contar o material didático, custos com transporte e alimentação.

Não por acaso, a HTS Brazil se envolveu com o mercado educacional norte-americano, levando candidatos brasileiros a ingressar em universidades dos Estados Unidos por meio de bolsas de estudo esportivas. É claro que também existem custos relacionados a todo esse processo, mas, se comparados ao que se gastaria no Brasil, existem boas vantagens. Vamos lá:

1. Valores das mensalidades
Aqui no Brasil, os valores das mensalidades vão variar de acordo com o curso e com a modalidade escolhida. Por exemplo: estudantes de Pedagogia encontram valores mais acessíveis do que os pretendentes à Medicina. Em cursos de Direito ou Engenharia, mensalidades chegam até 2 mil reais nas principais instituições de ensino privadas - sem contar os gastos com transporte, alimentação, taxas acadêmicas e materiais didáticos. Em alguns lugares, o valor total da vida acadêmica pode subir até 40%.

Nos Estados Unidos, os valores das mensalidades também variam de acordo com o curso escolhido. No geral, o investimento corresponde a 5 mil reais mensais para alunos normais. Com uma bolsa esportiva, esse número diminui. Normalmente, atletas recrutados de outros países ganham um mínimo de 30% de bolsa. Os que são mesmo feras na bola podem até atingir 100% de bolsa. Além disso, é possível exercer atividades remuneradas dentro do campus das universidades, garantindo renda extra, em dólares.

2. Gastos com moradia
No Brasil, apenas uma pequena parcela da população vive naturalmente próxima das universidades que pretende frequentar. A maioria das pessoas precisa fazer grandes deslocamentos ou, até mesmo, mudar de cidade para conseguir estudar. Em Campo Grande (MS), por exemplo, como a oferta de universidades é menor do que no eixo Rio/São Paulo, as chances de se alcançar uma vaga em uma universidade pública local são reduzidas. A tendência é que sejam buscadas oportunidades em uma das poucas instituições privadas locais ou mesmo que se deixe a cidade para estudar no Sudeste.

Em São Paulo ou no Rio de Janeiro, um estudante tem um elevado custo de vida. Alugueis raramente atingem cifras abaixo de 1 mil reais nesses centros urbanos. Enquanto isso, nos EUA, o aluno pode viver no próprio campus. As bolsas esportivas cobrem, também, acomodação e alimentação, representando uma economia significativa para o candidato.

Além disso, dentro da própria universidade há opções de lazer e socialização (muito além de bares e lanchonetes). A vida social no campus é intensa, algo raro no Brasil. Na equação final, consegue-se mais (educação, lazer, transporte, segurança, etc) por menos (dinheiro).

3. Investimento educacional
Quantos amigos você conhece que começaram a cursar uma universidade, desistiram e partiram para outra instituição? E quantos mudaram de curso ou área de estudo? Muitos, com certeza. De acordo com o Portal Educação, o MEC contabilizou, em 2010, 15,6% de evasão nas universidades particulares e 13,2% nas públicas. Essa realidade tem muito a ver com o sistema educacional brasileiro, que exige de um jovem de 17 anos de idade a escolha da carreira que seguirá pelo resto de sua vida. O resultado disso são os desapontamentos, as pressões desnecessárias e o dinheiro desperdiçado.

No modelo americano, a realidade é diferente. Depois de optar por determinada universidade, o aluno poderá cursar diversas disciplinas, em diferentes segmentos. Inicialmente, não precisa escolher entre esta ou aquela profissão, esta ou aquela área. Pode cursar diversas matérias, percebendo, com o passar do tempo, aquelas com as quais tem maior afinidade.

Finalmente, ao término do segundo ano da graduação, o estudante deverá escolher um caminho na universidade. Importante ressaltar que esse caminho só será decidido depois de praticamente dois anos de experiências e de vivências diversas. E as possibilidades, mesmo agora, não são limitadas. Após definir o foco de seus estudos, o aluno deverá cursar uma série de disciplinas obrigatórias, conquistando, ao final do curso, o chamado major, equivalente a um bacharelado.

Porém, durante esse período, seus estudos não precisam ficar presos apenas às matérias essenciais. O estudante pode também cursar as matérias consideradas eletivas, isto é, aquelas que lhe parecem interessantes, mas em grau menor do que as disciplinas obrigatórias. Assim, ao final do curso, o aluno também obterá um minor, equivalente a uma graduação extra em alguma área que complemente a primeira. É possível, por exemplo, ter um major em Jornalismo e um minor em Literatura, ou um major em Economia e um minor em Sociologia.

Selecionando talentos em Campo Grande

Atualmente, há mais de duas mil instituições de ensino nos Estados Unidos que oferecem pouco mais de 150 mil bolsas de estudo esportivas todos os anos. Destas, 23 mil são apenas para o futebol. Com quase 60 mil estudantes-atletas, o "soccer" é a terceira modalidade mais popular por lá, perdendo somente para o futebol americano e para o basquete. Pensando nesse mercado, a HTS Brazil busca constantemente atletas de 15 a 24 anos interessados em explorar o mundo do esporte universitário norte-americano.

No final do ano passado, a HTS Brazil esteve em Campo Grande (MS) e, atualmente, já há quatro garotos da cidade preparando-se para embarcar para os Estados Unidos. Agora, a nova Seletiva HTS - Campo Grande está marcada para os próximos dias 24, 25 e 26 de março.


Seletiva HTS - Campo Grande
Quando: 24, 25 e 26 de março
Horário e Local: dia 24, a partir das 19h30, no Bahamas Apart Hotel (R. José Antonio, 1117); dias 25 e 26, das 09h00 às 12h00, na Associação Médica de Mato Grosso do Sul (R. Desembargador Leão Neto do Carmo, 155)
Inscrições: http://bit.do/SeletivaHTS_MS
Facebook: https://www.facebook.com/htsbrazil/
Telefone:+11 3285 5507

Mais informações:
Site: http://www.htsbrazil.com.br/
Facebook: https://www.facebook.com/htsbrazil/
Telefone: +11 3285 5507

ZDL - Doro Jr. - Mtb 13209
E-mail: dorojr@zdl.com.br
Tels: (11) 3285-5911

Siga a ZDL no twitter:twitter.com/ZDLcomunica
e no facebook ZDL Comunicação
  • Partida de futebol avalia os jovens
    (Alexandre Rossettini / HTS Brazil)

  • Preparação física é fundamental
    (Alexandre Rossettini / HTS Brazil)

  • Testes físicos na primeira seletiva em Campo Grande
    (Alexandre Rossettini / HTS Brazil)

Leia também...

Entre em contato