Capa

Robert Scheidt

Scheidt estreia no Campeonato Mundial da Classe Laser nesta terça-feira (11), na Austrália

Bicampeão olímpico deve encarar vento forte em Melbourne, onde vai lutar por uma boa colocação, mas com foco principal na busca por evolução para lutar pelo pódio nos Jogos de Tóquio

10.02.2020  |  1.040 visualizações

São Paulo (SP) – Robert Scheidt estreia no Campeonato Mundial da classe Laser 2020 nesta terça-feira (11), em Melbourne, na Austrália. Aos 46 anos, dono de 14 troféus de campeão do mundo – 11 na Laser e três na Star – e considerado uma lenda viva na vela, o veterano mantém o apetite pelo desafio de competir. Contra atletas até 20 anos mais jovens, o bicampeão olímpico busca elevar o nível de sua velejada, focado em fazer uma boa campanha nos Jogos de Tóquio. Mas que ninguém se engane. Ele vai largar em todas as regatas com o objetivo de lutar por um lugar no pódio.

“O objetivo é tentar fazer um bom mundial, mas, acima de tudo, sem esquecer que é mais um evento no processo para medir forças e melhorar o que precisa ser melhorado visando a Olimpíada do Japão. Claro que quero fazer o melhor possível, mas sei que ainda não estou com 100% da minha forma”, explica o velejador patrocinado pelo Banco do Brasil e Rolex e que conta com o apoio do COB e CBVela. “Já corri muitos Campeonatos Mundiais e ganhei várias vezes, mas é muito especial estar aqui na Austrália para mais uma disputa. Me faz lembrar quando comecei, com 17 anos”, completa.

Scheidt espera uma competição desgastante em Melbourne. “Este, provavelmente, será campeonato mais duro do ano em termos físicos, pois serão seis dias com duas regatas cada, com expectativa de vento muito forte”, explica o maior medalhista olímpico da história do Brasil, com seis pódios. Além de exaustivo, o mundial terá alto nível técnico. Serão 130 velejadores de 45 países, muitos dos quais também em campanha para Tóquio. “Será muito importante começar com boa médias, evitar grandes erros nos primeiros dias e construir uma média de resultados. Assim, será possível conquistar classificação para a fase final, nos últimos três dias, quando o campeonato é realmente decidido”, complementa.

O bicampeão olímpico está na Austrália há dez dias para adaptação e treinamento. “Recebemos os barcos há uma semana e os treinos foram bons, sempre com vento forte”, comenta Scheidt, que retornou à classe Laser em 2019, após quase três anos ausente, desde os Jogos do Rio/2016. Nesse período de readaptação às novas técnicas e nova mastreação, cumpriu seu objetivo principal, que foi o índice para Tóquio, com o 12° lugar no Campeonato Mundial da Classe Laser 2019, em Sakaiminato, no Japão, em julho.

Na volta à vela olímpica, Scheidt disputou outras três grandes competições. A última foi o Ready Steady Tokyo, no final de agosto de 2019, em Enoshima, quando terminou em 10° lugar, chegando à medal race pela primeira vez desde que decidiu interromper a aposentadoria da classe Laser. Ele chegou próximo da regata da medalha no Troféu Princesa Sofia e na Semana de Vela de Hyères.

Agora, vai competir na Austrália para carimbar o passaporte olímpico, pois ainda precisa esperar a convocação final para a delegação brasileira. De acordo com o critério da Confederação Brasileira de Vela (CBVela), ele só perde a vaga para os Jogos do Japão se outro atleta do Brasil subir ao pódio no Mundial da Laser em 2020. Segundo informações da organização do campeonato, além de Scheidt, o Brasil terá apenas mais um representante em Melbourne, o velejador Gustavo Nascimento, de 24 anos.

Maior atleta olímpico brasileiro

Cinco medalhas:
Ouro : Atlanta/96 e Atenas/2004 (ambas na Classe Laser)
Prata : Sidney/2000 (Laser) e Pequim/2008 (Star)
Bronze : Londres/2012 (Star) 

181 títulos - 89 internacionais e 92 nacionais, incluindo a Semana Internacional do Rio, o Campeonato Brasileiro de Laser e a etapa de Miami da Copa do Mundo, todos em 2016. Em novembro de 2017, pela Star, conquistou a Taça Royal Thames e, neste domingo, o Europeu de Star.

Laser
- Onze títulos mundiais - 1991 (juvenil), 1995, 1996, 1997, 2000, 2001, 2002*, 2004 e 2005 e 2013
*Em 2002, foram realizados, separadamente, o Mundial de Vela da Isaf e o Mundial de Laser, ambos vencidos por Robert Scheidt
- Três medalhas olímpicas - ouro em Atlanta/1996 e Atenas/2004, prata em Sydney/2000

Star
- Três títulos mundiais - 2007, 2011 e 2012*
*Além de Scheidt e Bruno Prada, só os italianos Agostino Straulino e Nicolo Rode venceram três mundiais velejando juntos, na história da classe
- Duas medalhas olímpicas - prata em Pequim/2008 e bronze em Londres/2012

Mais informações:
ZDL - Rafael De Marco / Doro Jr. - Mtb 13209
E-mail: rafael@zdl.com.br
Tels: (11) 3285-5911
Cel: 11 976022986
Whatsapp: 19 997912108

Site: www.zdl.com.br
Facebook: www.facebook.com/ZDLSports
Instagram: www.instagram.com/zdlsports
Twitter: www.twitter.com/ZDLcomunica

  • O bicampeão olímpico Roberto Scheidt
    (Divulgação)

  • Robert Scheidt
    (Divulgação)

Leia também...

20.08.2020

Bicampeonato olímpico de Robert Scheidt completa 16 anos neste sábado (22)

No dia 22 de agosto de 2004, nos Jogos de Atenas, velejador igualava o feito de Adhemar Ferreira da Silva. A primeira medalha de ouro de Robert foi ganha em Atlanta/1996, há 24 anos

10.08.2020

Scheidt entra na reta final de treinos para a Semana de Vela de Kiel, em setembro

Bicampeão olímpico segue a preparação no Lago di Garda, onde vai receber a equipe italiana e o francês Jean-Baptiste Bernaz. Brasileiro se prepara para disputar os Jogos de Tóquio em 2021, sétimo na carreira e que farão dele recordista brasileiro em participações

04.08.2020

Scheidt é eleito segundo maior atleta nos 100 anos de história do Brasil em Olimpíadas

Votação promovida pelo Globoesporte.com reuniu 100 jornalistas e faz parte da celebração do centenário da participação brasileira nos Jogos. Primeiro lugar ficou com Adhemar Ferreira da Silva, com Joaquim Cruz em terceiro lugar

30.06.2020

Scheidt treina forte na Itália e deve retornar às competições de vela em setembro

Bicampeão olímpico vai disputar a tradicional Semana de Kiel, na Alemanha, em setembro. Até lá, segue treinando no Lago di Garda, onde mora na Itália. Brasileiro se prepara para disputar os Jogos de Tóquio em 2021

Entre em contato